Image default

Carro suspeito de envolvimento na morte de Marielle é apreendido em MG

A Polícia Civil de Ubá apreendeu entre o final da noite deste sábado (17) e a madrugada deste domingo (18) um carro suspeito de ter sido usado no assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. A parlamentar foi atingida por quatro disparos na cabeça após sair de um evento no Centro do Rio.

De acordo com o delegado Alexandrino Rosa de Souza, uma denúncia anônima feita à Polícia Civil do Rio de Janeiro indicou a localização do veículo na cidade da Zona da Mata. Uma equipe da polícia do Rio está a caminho da cidade.
No sábado, novas imagens exclusivas obtidas pela TV Globo mostram parte do trajeto do carro onde estavam a vereadora Marielle o motorista Anderson antes de serem mortos na rua Joaquim Palhares, no Estácio, no Centro do Rio, na quarta-feira (14). Às 21h07, o vídeo de uma câmera na Av. Salvador de Sá mostra o carro branco onde estava Marielle passando e sendo seguido por dois veículos de cor prata.

A Polícia Civil confirmou que a avenida faz parte das vias percorridas por Marielle na noite do crime. A Divisão de Homicídios já tem todo o trajeto registrado por imagens de câmeras de segurança. A polícia investiga também se os assassinos de Marielle começaram a monitorar a vereadora pelas redes sociais, já que ela fez uma convocação na internet um dia antes do evento da Rua dos Inválidos, de onde saiu antes de ser assassinada.

Novas imagens mostram o que seria perseguição ao carro de Marielle Franco

Munição
Além das imagens de câmeras do trajeto, outro ponto em que as investigações avançaram na última semana é relativo à munição usada no crime. As munições calibre 9 mm são do mesmo lote de parte das balas utilizadas na maior chacina do estado de São Paulo. Os assassinatos de 17 pessoas ocorreram em Barueri e Osasco, na Grande São Paulo, em 13 de agosto de 2015. Três policiais militares e um guarda-civil foram condenados pelas mortes.
O lote em questão é o UZZ-18. Segundo a Polícia Civil do Rio, esse lote foi vendido à PF de Brasília pela empresa Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) no dia 29 de dezembro de 2006, com as notas fiscais número 220-821 e 220-822.
Ao todo, o lote continha 1.859.000 cápsulas, que foram distribuídas para todas as unidades da PF. Também houve balas desse lote usadas em crimes envolvendo facções rivais de traficantes que resultaram na morte de cinco pessoas em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, entre 2015 e 2017.
Por G1 Zona da Mata

Veja também

Italiano Cesare Battisti é preso na Bolívia

admin

Como manter a credibilidade com o público no novo cenário da comunicação

admin

Lutadora do UFC diz ter reagido a assalto no Rio com socos

admin

Jovem de 16 anos morre após bater a cabeça em treinamento de touros

admin

Temporada dos escorpiões: confira dicas para mantê-los longe de casa no verão

admin

Justiça decreta prisão preventiva do médium João de Deus

admin

Procon orienta pesquisa para evitar pegadinha da Black Friday

admin

Pastor é baleado no altar durante pregação em culto em igreja de SP

admin

Apresentadora e jornalista Cilleid Heredia faz desabafo em rede social após ser agredida por seu ex companheiro

admin