Image default

CMDCA prepara elaboração do plano decenal baseado no relatório final do Diagnóstico Rápido Participativo

Propostas foram aprovadas recentemente em plenário do seminário de construção de plano de ações

Realizado o Seminário Municipal de Construção de um Plano Decenal de Ações de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, nos dias 28 e 29 de junho, no auditório do Centro de Referência de Assistência Social e Educacional – CRASE “Coração de Mãe”, está agora em andamento a elaboração final do documento que irá conter os rumos das políticas públicas, voltadas à criança e ao adolescente, para os próximos 10 anos, ou seja, de 2018 a 2028.

Finalizado esse documento, ele deverá ser oficialmente entregue pelo Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) ao prefeito de Três Lagoas, Angelo Guerreiro, Câmara Municipal, Ministério Público, Conselho Tutelar, Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) e demais instituições e entidades que direcionam as suas principais ações para a criança e o adolescente.

A elaboração do denominado “Plano Decenal dos Direitos Humanos da Criança e do Adolescente no Município de Três Lagoas” tem como base o Relatório Final do Diagnóstico Rápido Participativo (DRP), estudo feito por uma equipe técnica da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), por meio da Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura (FAPEC), e requisitado pelo CMDCA de Três Lagoas.

Os trabalhos do DRP, concluídos em maio deste ano e apresentados ao público presente no Seminário Municipal de Construção de um Plano Decenal de Ações de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, foram coordenados pelo professor da UFMS, Antônio José Ângelo Motti, e como gestor de pesquisa, o professor e doutor Adalberto Vieira Corazza, com a participação de alunos do curso de Medicina da UFMS, CampusTrês Lagoas (CPTL).

EIXOS DE LEITURA E PROPOSTAS

Como explicou a presidente do CMDCA, Laura Daniela Figueiredo Garcia Nascibem, o resultado do DRP foi dividido em quatro eixos de leitura e discussão para apresentação de propostas de apoio ou de mudanças da realidade de direitos das nossas crianças e adolescentes, em Três Lagoas.

Essas propostas “foram também submetidas à aprovação do plenário do Seminário e estão sendo a base para elaboração do nosso Plano Decenal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente”, informou Laura Daniela.

Nas informações colhidas para a elaboração do relatório final do DRP, a equipe ouviu o CMDCA, Conselho Tutelar, Juizado da Infância e Juventude, Promotoria, Delegacia de Polícia Civil, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal.

Foram ouvidas também lideranças comunitárias e de movimentos sociais e instituições, programas e serviços governamentais e não-governamentais que fazem parte da rede de atendimento à proteção de direitos da criança e do adolescente.

Nos detalhamentos do DRP, a equipe concluiu que, no município de Três Lagoas, “a rede de atendimento a crianças, adolescentes e famílias possui serviços disponíveis na Educação, Assistência Social e Saúde. Os dados escolares, aferidos em 2017, registram 17.474 matrículas no ensino Fundamental e 10.488 matrículas no Ensino Médio”.

Como também consta no referido DRP, no âmbito social, o município de Três Lagoas disponibiliza, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS), seis unidades de Centro de Referência de Assistência Social – CRAS, que atendem em média 820 famílias e 1,6 mil crianças e adolescentes em cada unidade; uma unidade CREAS, que atende em média 180 famílias, 20 crianças e 12 adolescentes; uma unidade CRASE, com 1.590 crianças e adolescentes atendidas; e três Serviços de Acolhimento, com 60 vagas para atendimento.

“Neste Seminário, percebemos o quanto foi importante a participação e o envolvimento das pessoas que defendem os direitos das crianças e dos adolescentes, principalmente na Assistência Social, na Educação e na Saúde”, observou a presidente do CMDCA.

PROMOÇÃO DA CULTURA DO RESPEITO

Entre os quatro eixos de discussão para elaboração das propostas, submetidas ao plenário, chama a atenção a proposta do eixo 1 de “Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes”, que tem como uma das diretrizes de ações o seguinte: “Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de crianças e adolescentes no âmbito da família, da sociedade e do Estado, consideradas as condições de pessoas com deficiência e as diversidades de gênero, orientação sexual, cultural, étnico-racial, religiosa, geracional, territorial, de nacionalidade e de opção política”.

Um dos objetivos estratégicos de ação deste eixo é “fortalecer as competências familiares em relação à proteção integral e educação em direitos humanos de crianças e adolescentes no espaço de convivência familiar e Comunitária”.

Related posts

Ações do programa “Saúde na Comunidade” são levadas às famílias do Jupiá

admin

Famílias aplaudem e agradecem reforma e ampliação da Unidade de Saúde do Bairro Santa Luzia

admin

Três Lagoas arrecada em três dias de Refis cerca de 375 mil

admin

Morre aos 73 anos o fotógrafo Oscar Martins Filho

admin

Professor do CEI “Novo Alvorada” desenvolve projeto de esportes radicais para crianças de 2 a 5 anos

admin

Alunos que utilizam Transporte Rural em Três Lagoas participam de palestra sobre sexualidade

admin