Comissão da Câmara vai investigar atendimento da Elektro em Três Lagoas

Comissão da Câmara vai investigar atendimento da Elektro em Três Lagoas

Vereadores devem elaborar requerimento criando CPI para ampliar a extensão da investigação

A maioria dos vereadores criticou o atendimento da empresa Elektro, concessionária no fornecimento de energia elétrica, durante a 40ª sessão realizada pela Câmara Municipal de Três Lagoas, nesta terça-feira (28), e o presidente da Casa, vereador André Bittencourt, determinou que a Comissão Permanente de Indústria, Comércio e Agronegócios abra procedimento para apurar os inúmeros problemas e queixas que se somam. Não chegou a ser estabelecido prazo para os trabalhos da comissão, principalmente porque alguns vereadores defenderam que seja elaborado, para as próximas sessões, um requerimento que resulte na abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) contra a empresa.

O vereador Gilmar Garcia sugeriu que os colegas vereadores elaborem um requerimento pedindo a abertura de uma CPI da Elektro, tendo mais autonomia e poderes, inclusive poder de polícia, do que a comissão permanente, designada pela presidência para investigar a concessionária de energia. Gilmar disse que a CPI é mais ampla e adequada. Segundo ele, serviços deste tipo devem ser públicos e não privados. O vereador disse que a empresa já fez muitas promessas não cumpridas e que age de forma ruim pela paciência das autoridades.

Além de inúmeras queixas contra a concessionária, acumuladas ao longo dos anos e em condições normais, no último final de semana, após um vendaval registrado na cidade, diversos bairros ficaram às escuras, devido à queda de árvores e galhos, tendo o restabelecimento do fornecimento muito lento. Outra reclamação é que o serviço de atendimento pelo 0800 é deficitário, o que levou os parlamentares a afirmarem, durante a sessão, que a Elektro não tem condições de prestar o atendimento que o município demanda.

Luciano Dutra foi o primeiro a reclamar do atendimento da Elektro, na tribuna, ponderando que, mesmo havendo problemas de natureza e clima, a empresa precisa melhorar sua equipe para dar manutenção na cidade. Assim, sugeriu nova reunião com vereadores para cobrar a empresa. Luiz Akira informou que a população deve usar o 0800 para acionar a concessionária, de forma a registrar as demandas, porém Dutra lembrou que este serviço telefônico também é péssimo. Ele ainda cobrou que a empresa troque lâmpadas atuais por lâmpadas de LED, o que deve melhorar a qualidade da iluminação pública, que é paga pela população, porém não tem a eficiência esperada.

Em apoio às reclamações de Luciano Dutra, o vereador Sargento Rodrigues também disse que é necessário aumentar o número de funcionários da Elektro, relatando que, na última tempestade, teve bairro que ficou 24 horas sem abastecimento. Ainda cobrou um programa de poda de galhos, que são os principais responsáveis pela interrupção do fornecimento. Realino ponderou que a empresa precisa fazer investimentos urgentes na melhoria dos transformadores, insuficientes para atender o crescimento da cidade e do consumo, e que as podas são necessárias, antes de ocorrer um acidente fatal. Rodrigues sugeriu a criação de uma comissão para investigar a questão, o que foi atendido pelo presidente.

Atendimento inadequado e demorado da Elektro também foi pauta das reclamações da vereadora Marisa Rocha. O vereador Jorginho fez aparte e disse que a empresa deve sofrer CPI. O presidente da Casa determinou que a comissão permanente de Indústria, Comércio e Agronegócio, presidida pelo vereador Silverado e que tem como membros os vereadores Flodoaldo e Cascão, investigue a empresa

Já o vereador Apóstolo Ivanildo, que no ano passado liderou várias reuniões com a empresa, nas quais chegou a ser elaborada uma espécie de programação de trabalho para atendimento às reivindicações, disse que já está constatado que a empresa não consegue atender às demandas, apesar da boa arrecadação, e tem provocado inúmeros prejuízos para a população. O vereador lembrou que várias iniciativas dos vereadores não surtiram efeitos, até agora, pois a empresa se compromete e não cumpre. Por isso, defendeu uma investigação e responsabilização da concessionária. Bazé fez aparte dizendo que já até percebeu vontade de melhorias, mas a Elektro não tem se aparelhado para atender o tamanho da cidade e se comprometeu, junto a seu bloco partidário, a assinar requerimento que venha a ser elaborado, visando a abertura da CPI.

Curso de Medicina

Leonardo Eid Gutierrez dos Santos Matsumoto, presidente do Centro Acadêmico Dercir Pedro de Oliveira, da Faculdade de Medicina da UFM usou a tribuna livre para agradecer a classe política, sobretudo aos vereadores, pela mobilização e empenho em resolver a questão da falta de hospital para a parte prática do curso. Ele relatou que o Hospital Auxiliadora se propôs a recebê-los, mediante um planto de trabalho, já elaborado e entregue. Agora, falta quantificar os gastos que a presença dos alunos representa e buscar os recursos para custeá-los.

Tramitações

Com objetivo de intensificar a limpeza da pauta de 2017, nesta terça-feira (28), os vereadores analisaram 34 matérias, entre projetos de lei e vetos apresentados. Foi aprovada a alteração na lei 2.808/2014, assim como mantido o veto parcial ao autógrafo da lei 3.342/2017. Os outros projetos de lei e mais cinco vetos a autógrafos de lei continuaram em tramitação, devendo ser votados nas próximas sessões.