www.arapuams.com.br – Portal de Notícias de Três Lagoas e região
Image default

Indígenas bloqueiam BR-262 em protesto por saúde pública

Manifestantes bloquearam, na manhã desta sexta-feira (29), a BR-262, na altura do km 529, próximo a Miranda (MS). A interdição, comandada por indígenas da região, ocorre próximo ao distrito de Taunay, em Aquidauana, e é motivado contra a proposta de municipalização da saúde indígena, proposto pelo governo federal.

De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), que está no local, cerca de 100 manifestantes estão no local. Policiais acompanham a manifestação e liberam o tráfego de veículos de emergência.

Esta é pelo menos a terceira manifestação no Estado após o anúncio da proposta que quer municipalizar a assistência em saúde à indígenas no país. No dia 8 de março, lideranças indígenas do Estado já tinham promovido manifestação em rodovias estaduais de MS, no caso, na MS-156, entre Itaporã e Dourados, e na MS-386, em Amambai, com interrupção parcial das vias, a cada 20 minutos, quando panfletagens foram realizadas.

No mesmo dia, em visita ao município de Dourados, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), foi recebido com protestos de índios e profissionais da saúde que trabalham nas aldeias.

Durante a agenda, Mandetta garantiu que não faltariam recursos do governo federal para as obras do Hospital da Mulher e da Criança, e também para o Regional, construído às margens da BR-463.

O ministro teria alegado estar disposto a debater a questão da municipalização da saúde indígena, mas deixou claro que, na visão do governo, o modelo usado pelo país atualmente é caro e com pouca eficiência.

No último dia 25, manifestantes indígenas fecharam a ponte Ayrton Senna na BR-163, na divisa de Mato Grosso do Sul com o estado do Paraná. A cidade de Guaíra (PR) faz divisa com Mundo Novo (MS) e os manifestantes protestam pela municipalização dos serviços de saúde indígena.

Risco de precarização

A proposta de Municipalização da Saúde Indígena é enxergada como algo negativo pelas comunidades, que consideram haver grande probabilidade de precarização dos serviços, atualmente federalizados.

Segundo as lideranças, os municípios não teriam capacidade de oferecer o serviço, principalmente os mais pobres, implicando na queda da qualidade da atenção básica à indígenas.

As lideranças citam a Lei 9.836/99, que determina à União o subsídio do Subsistema de Atenção à Saúde Indígena. Segundo os manifestantes, a mudança também poderá proporcionar o fim da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena) no Ministério.

Por Midiamax

Veja também

Justiça decide que dois terço dos servidores da educação de MS terão que trabalhar segunda (20)

admin

Campeonato incentiva pesque e solte em MS e MT

admin

Impactos da Era Digital no campo

admin

Deputado estadual Eduardo Rocha solicita patrolamento e cascalhamento da MS-312

admin

Mais de 100 pessoas são beneficiadas com ação de saúde na BR-163/MS

admin

Avião monomotor faz pouso de emergência às margens da BR-158

admin